Nota de Esclarecimento


1 min de leitura
05 Aug
05Aug

Então... esse post é mais um desabafo mesmo. 💡

Eu vejo muitas pessoas instigando as outras a brigarem na justiça e promovendo um discurso de ódio nas redes sociais, principalmente quando o assunto é o direito de família.


Há muita desqualificação para o lado da mulher que aciona a MEDIDA PROTETIVA ao passo que há muita desqualificação para o lado do homem quando o assunto é a PATERNIDADE.


Nos meus 14 anos de atuação na área jurídica, já tendo passado por várias áreas do direito, eu posso afirmar, com absoluta certeza, que isso não levará você a sua vitória judicial.


Como eu tenho dito, um processo judicial é feito de estratégias corretas e bem aplicadas, que, somadas a vontade das pessoas em cooperar, a vitória ocorrerá.


Vamos para um caso prático. ⬅️


Um casal tem um sítio na Serra do Cipó, e lá eles fizeram moradia. Contudo, após traição do marido, adveio o divórcio.


Ela, com muita raiva, quer que ele saia de casa imediatamente. Mas a lei garante o direito de propriedade dele e dela, ou seja, não existe expulsão de cônjuge.


Se ela agir com o emocional, esse divórcio se estenderá por anos e coisas terríveis podem acontecer.


Nesse caso, não seria melhor um acordo? Claro que sim! Porque a casa é dos dois e isso não tem jeito de mudar, está na lei que é devida a partilha de bens. Poderíamos combinar que ela more na casa até a venda e pague a ele 50% do que o aluguel equivaleria, ou poderíamos combinar dela ou dele comprar a parte do outro.


Se for para o divórcio litigioso sabe quem decidirá pelos dois? A justiça! Que nem sempre será boa para os dois, pois eles podem continuar morando juntos até a decisão judicial sair, e muita briga vai rolar nesse tempo(pode demorar uns 5 anos).


Agora, com uma boa estratégia, esse caso se resolverá super fácil! E não será com brigas, ofensas, acusações, disputas judiciais longas e advogados brigando entre si. Será resolvido com sabedoria! 🙏🏻

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.