O problema da guarda compartilhada


1 min de leitura
26 Oct
26Oct

O problema não é o tipo de guarda, mas a conduta dos pais.

Isso porque, se ambos os pais se preocuparem com a convivência saudável e harmoniosa do filho, tudo dará certo.

A guarda compartilhada tem o intuito único de privilegiar o filho, para que ele não sofra tanto com a separação dos pais.

Contudo, se um dos pais está mal intencionado em prejudicar o outro, o filho pode correr um sério risco à sua saúde psicológica, pois pode virar objeto de “vingancinha”.

Benefícios:

➡ Evita que o filho tenha que escolher com quem ficar

➡ Evita que o filho fique triste ao se afastar do pai

➡ Os pais continuam participando igualmente na vida do menor


Malefícios:

➡ Brigas entre os pais afeta a estabilidade emocional do filho

➡ Sabotar a atuação do pai ou da mãe

➡ Como as decisões são tomadas em conjunto, um dos pais pode querer impedir, por exemplo, do filho jogar futebol (pois acha que o valor da pensão pode aumentar, ou, impedir que o filho faça natação só porque a madrasto ou padrasto utiliza a mesma academia)

Pais que não tem diálogo saudável não devem adotar a guarda compartilhada, pois ficarão refém um do outro, tendo que se sujeitarem a situações impostas por brigas e falta de consenso.

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.